Eletropower.jpg

Eletro Power: Consultoria Energética é uma microempresa de consultoria energética e prestação de serviço, criado pelos estudantes de Engenharia Eletrotécnica da Universidade de Cabo Verde (Uni-CV). No âmbito dessa empresa, os elementos do grupo desenvolveram o projeto de Gestão Eficiente de Recolha de Resíduos.

Esse projeto saiu vencedor no concurso de ideias Smart City (Cidade Inteligente), Praia 2025 “cidade com sorriso”, promovido pela  Fundação Lóide Monteiro, em parceria com a Câmara Municipal da Praia e  a CERMI - Centro de Energias Renováveis e Manutenção Industrial,  e foi o primeiro classificado no BootCamp 2030 e top 6 empreendedor promovido pela BIC - Business Incubation Cente.

Para conhecer mais sobre o projeto, que promete inovar na recolha de resíduos, a Universidade de Cabo Verde conversou com o representante do grupo, Alexsandro Baptista. Confira na íntegra a entrevista.

Uni-CV: Explica-nos o vosso projeto?

Representante do projeto: O nosso projeto Gestão e Recolha Eficiente de Resíduos está dividido em três partes: 1ª- recolha dos parâmetros dos contentores, ou seja, consegue-se saber a distância e o nível dos resíduos que estão nos contentores. Instalamos um dispositivo nos contentores que informam quando o contentor estiver cheio. 2ª - Aplicação de inteligência artificial, com isso, o sistema traça a sua própria rota de recolha dos resíduos com base nos contentores que estão cheios e na distância entre eles, permitindo assim traçar a rota mais económica possível; 3ª - Georreferenciação, será feita a georreferenciação de todos os contentores para permitir qua a população saiba aonde estão localizados os contentores, disponibilizada a população em forma de web ou apps.

Uni-CV: Em que âmbito surgiu esse projeto?

RP: A ideia surgiu perante o desafio de participar no concurso Smart City “Cidade com Sorriso”, promovido pela Câmara Municipal da Praia, a Associação dos Jovens Empreendedores, a Loide Engenharia e outras empresas.. Então, um belo dia, resolvemos ir em baixo de uma árvore e ali focamos no problema. No decorrer da elaboração do projeto fizemos várias entrevistas para saber qual é o maior problema o meio urbano. Concluímos que o lixo é um problema que traz outros problemas. Então queremos dar o primeiro passo para tentar resolver esse problema que afeta muitas cidades.

Uni-CV: Com o prémio que ganharam qual é o percurso que o projeto tem agora?

RP: Antes de vencermos o concurso já tínhamos o plano de implementar o projeto, agora ganhámos, estamos muitos felizes e vamos aproveitar o prémio para reforçar a implementação do projeto.

Uni-CV: Em que fase está o projeto?

RP: Agora estamos na fase de teste que é a primeira fase de recolha de resíduos. Estamos também a preparar a próxima fase que é a aplicação da inteligência artificial, com o apoio da Tecnologia ESRI Portugal e, já no início de 2019, vamos fazer os primeiros testes. Entretanto, já fizemos uma experiência com os contentores da Universidade de Cabo Verde.

Uni-CV: Onde vão ser monitorizados os primeiros contentores na cidade da Praia?

RP: Pretendemos fazer os primeiros testes na zona de Palmarejo, onde já há contentores subterrâneos o que permite a instalação dos sensores. Aproveito para dizer que esses sensores são eletrónicos e acompanhados de microcontroladores.

Uni-CV: Explica como funciona o controlo dos contentores?

RP: Instalamos sensores nos contentores de lixo. Vamos ter uma central que recebe os dados de todos os contentores e, a partir de um ecrã, conseguimos monitorar, enviamos os dados seis vezes por dia através de mensagens (SmS). O próprio sistema consegue descrever a rota da recolha de resíduos, uma vez que os carros são automatizados, o que permite a sua monitorização. Assim, podemos ver onde estão as viaturas e o sistema permite ainda fazer o alerta à população na questão de recolha porta-a-porta. Essa é a parte mais dinâmica do projeto.

Uni-CV: Qual é o impacto que esperam que esse projeto traga?

RP: Esse projeto irá trazer principalmente um impacto económico porque o governo gasta certa de noventa mil contos para gestão e recolha de resíduos. Com esse projeto pretendemos reduzir em cerca de 40% o valor que o governo gasta. Tem o impacto também a nível da saúde, do ambiente e da urbanização.